Controle de qualidade

Proágua é o responsável pela qualidade da água que chega aos consumidores

A frase “tomar água faz bem à saúde” ultrapassou as portas de consultórios médicos e se tornou de domínio público. No entanto, é preciso zelar pela qualidade da água que a população consome. Essa tarefa cabe ao Sistema Único de Saúde (SUS) e visa a prevenir doenças transmitidas pela água contaminada.

Tal responsabilidade, no Estado de São Paulo, é do Centro de Vigilância Sanitária que, em 1992, implantou o Programa de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Proágua). Seu principal objetivo é colaborar na promoção e proteção da saúde da população, garantindo água potável para o consumo humano em todo o Estado.

Para isso, o Programa constantemente desenvolve ações para assegurar a qualidade dos sistemas e soluções alternativas de abastecimento. Durante esse trabalho, identifica e intervém em situações de risco à saúde dos consumidores. A atuação do Proágua abrange desde a captação até o consumo da água e, entre suas preocupações, estão a gestão dos recursos hídricos e os impactos à saúde dos consumidores.

O Programa conta com uma série de ações como, por exemplo, vistorias para avaliar a ocupação da bacia contribuinte ao manancial, coleta de amostras e avaliação de laudos laboratoriais, análise e interpretação sistemática dos dados de controle de qualidade gerados pelos sistemas de abastecimento.

Os 645 municípios paulistas devem executar essas ações. Em Itu/SP, o Proágua foi criado pela Vigilância Sanitária (Visa) local em 2001 e, inicialmente, funcionou no prédio que abrigava o extinto Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), em espaço gentilmente cedido pela autarquia.

Hoje, funciona nas dependências da Visa, que está instalada em edifício na Rua Floriano Peixoto nº 1448, centro. Em Itu, informações sobre o Proágua também são fornecidas por meio do telefone 4023-6205.

Resultados

A responsável pelo Proágua em Itu, a médica veterinária Tânia Regina Vieira, informa que a equipe do Programa é composta por fiscais e técnicos. A atuação desses profissionais viabiliza o trabalho do Proágua que é uma das iniciativas do poder público e da sociedade na verificação da qualidade da água. Como resultado do trabalho, já se nota a redução de taxas da mortalidade infantil e daquelas associadas à veiculação hídrica.

Quase vinte anos de trabalho e os efeitos do Programa no Estado de São Paulo tornam-se conhecidos. Em 2006 foram produzidas aproximadamente 43 mil análises relativas apenas aos parâmetros bacteriológicos (coliformes totais e termotolerantes). Em 1997 foram analisadas 12 mil amostras. Os números apontaram que em pouco mais de 11% das amostras analisadas havia presença de coliformes totais ou termotolerantes; o que foi reduzido para cerca de 3% em 2006, numa mostra da melhoria da qualidade da água distribuída pelos serviços públicos à população.

No ano passado, em Itu, o Proágua realizou em torno de 300 inspeções sanitárias no sistema público de abastecimento, abrangendo os mananciais de captação, as saídas das Estações de Tratamento de Água (ETAs) e os pontos de consumo (cavalete de entrada de água das residências).

Ainda segundo a responsável pelo Proágua em Itu, houve coletas mensais de amostras de água produzida pela empresa concessionária Águas de Itu e distribuída à população. Também foram limpos aproximadamente 280 reservatórios pertencentes ao município.

Angélica Estrada



Leia outras matérias

Fim da discórdia em torno do Piraí
Editorial
Fontes consultadas
A vida antes dos encanamentos