O sucesso da Festa Italiana

Em 15 anos a festa evoluiu e se aperfeiçoou, atingindo seus objetivos

No decorrer dos últimos 15 anos, o idealismo e a força de vontade transformaram-se em alguns dos componentes do grande sucesso que se tornou a Festa Italiana de Itu/SP. Conforme o ditado “é errando que se aprende”, problemas das edições iniciais foram contornados nos anos seguintes. A experiência adquirida fortaleceu a comunidade, agregou mais apoiadores, modernizou e fez adequações na estrutura. Os improvisos, pouco a pouco, ficaram cada vez menos frequentes.

O público, que na primeira festa foi de 6 mil pessoas, hoje é estimado em mais de 40 mil pessoas somados os quatro dias do evento. Essa informação representa muitos avanços: a organização da festa se aperfeiçoou indiscutivelmente; o dinheiro arrecadado em todo esse período bancou a restauração da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Candelária, com exceção das obras de arte; e a festa tornou-se parte integrante da cultura da cidade, atraindo, inclusive, turistas não só paulistas, mas também de outros Estados.

Mas para alcançar esses resultados foi necessário muito trabalho, dedicação e criatividade.

Isso foi possível graças ao empenho não só dos idealizadores do CPA (Conselho Paroquial Administrativo), mas também de toda a comunidade envolvida com a Igreja Matriz, patrocinadores, poder público e, claro, do prestígio da população ituana.

Evolução e crescimento

Quando se fala da evolução e crescimento da Festa Italiana de Itu é importante considerar as mudanças de local do evento nos últimos 15 anos. Da primeira edição até 2008, a festa ficou concentrada na Rua Barão de Itaim. O público foi crescendo e o espaço foi diminuindo, tornando-se necessário encontrar um novo local.

De 2009 a 2012, a festa passou a ser realizada na Praça da Independência (Largo do Carmo), com as barracas montadas no recuo ao lado da Igreja de Nossa Senhora do Carmo. Apesar do aumento do espaço físico, o local ainda não era o ideal, sobretudo devido à distância para a cozinha da Igreja Matriz. “Essa logística era inviável”, explica o padre Francisco Carlos Rossi, que em 2012 assumiu a chefia paroquial da Igreja Matriz.

Em 2013 a festa foi transferida para a Praça Padre Miguel (Largo da Matriz), onde segue até hoje. Devido ao crescimento da estrutura e do público, os organizadores já receberam sugestões de outros locais, mas que comprometeriam a essência da festa. “Já sugeriram levá-la para o Estádio Municipal Dr. Novelli Jr. ou para aquele recinto onde se fazia antigamente o rodeio, o Itusão (Avenida da Saudade), ou ainda para o pátio da Brasil Kirin”, conta Rubens Natal Pereira, que integra a comissão organizadora. “Se tirar a festa daqui ela perde suas características. Enquanto for possível, vamos segurá-la aqui”, acrescenta.

Organização

A 15ª edição da Festa Italiana de Itu aconteceu nos dias 23, 24, 30 e 31 de janeiro deste ano. A organização, no entanto, começa bem antes. O padre reúne a comissão em julho para planejar a festa do começo do ano seguinte. Já nas primeiras reuniões são definidas as datas e selecionados os coordenadores de barracas. É nesse momento que eventuais novidades podem aparecer. Neste ano, por exemplo, foram acrescentadas à festa as barracas de polenta com frango em molho e também a de milho verde.

Escolhidos os coordenadores, estes já ficam incumbidos de montar suas equipes e apresentá-las à comissão, que lhes providencia uniformes e crachás. A festa deste ano contou com 16 barracas e o número de colaboradores foi de 350 pessoas, que trabalharam nos dias de festa em dois turnos.

As barracas são padronizadas e a decoração da 15ª Festa Italiana de Itu foi providenciada pelo próprio pároco. “Montamos um kit com as cores da bandeira italiana para cada um dos coordenadores”, afirma o padre Francisco Rossi.

Daí para frente entra em cena o trabalho minucioso da comissão para comprar os produtos que serão comercializados na festa. O objetivo é garantir o menor preço possível, mas sem abrir mão da qualidade e da parceria com os fornecedores. “São apenas dois finais de semana e não podemos correr o risco de sobrar alimento. O que é consumido em maior quantidade nós compramos em consignação”, salienta Rubens Pereira, que tem a missão de pesquisar preços e fazer as compras.

A festa

O trabalho dos voluntários começa uma semana antes da festa, quando a cozinha da Igreja Matriz inicia alguns preparativos, como o frango e o molho de tomate. “São 120 caixas de tomate para fazer molho para cada final de semana”, conta Pereira. Outros números de consumo na festa chamam a atenção: 2,2 toneladas de frango frito, 400 quilos de macarrão, 1 tonelada de polenta frita, 2 mil pizzas, 500 quilos de carne moída e 1,3 tonelada de mussarela.

As bebidas ficam a cargo da Brasil Kirin, patrocinadora máster da festa desde a primeira edição. Atualmente, o público consome cerca de 1,3 mil dúzias de produtos entre cerveja, refrigerantes, sucos e água. Em outra barraca, a única terceirizada da festa, comercializa-se suco de uva natural e vinho.

As doações tornaram-se mais difíceis com o passar do tempo e devido à situação econômica do País nos últimos anos. Atualmente, o maior número de doações é de ingredientes para fazer os doces.

Várias empresas colaboram com a festa de formas diferentes, sobretudo com a publicidade, com destaque para o Grupo Maggi. O suporte à festa conta com a importante participação de empresas como o Grupo Lorenzon, que cede o gerador de energia, e também a Prefeitura, que dá apoio com interdição de trânsito, segurança, instalações de som e iluminação, além de bancar palco e as atrações artísticas anualmente.

Arrecadação

Com o apoio de alguns empresários, mas, sobretudo, com os recursos arrecadados na festa, foi possível restaurar a igreja ao longo dos últimos 15 anos. O dinheiro oriundo anualmente da Festa Italiana é a principal receita da Paróquia Nossa Senhora da Candelária para o ano, sendo utilizado nas despesas com funcionários, manutenção e assistência a famílias carentes.

Alguns eventos que antigamente faziam parte da Festa Italiana deixaram de ser realizados pelos gestores atuais com o intuito de assegurar ao evento caráter menos elitista. Um deles foi a homenagem às famílias de descendentes de italianos de Itu, que envolvia a celebração de uma missa em italiano na Igreja Matriz e um almoço de confraternização das famílias no salão paroquial. A primeira família homenageada foi a do monsenhor Camilo Ferrarini, em 2002, mas também foram brindadas famílias como Francischinelli, Daldon, Fioravanti, Scalet, Benedetti, Christofoletti, Bragagnolo, Padovani, entre outras.

Outro evento que deixou de ser realizado foi o Jantar Italianíssimo, que era organizado também no salão paroquial. Cerca de 400 convites eram vendidos. Além do jantar, o público assistia ao show de artistas como Tony Angeli, Mafalda Minnozzi e Fred Rovella, entre outros. Foi extinto também um jantar italiano que reunia a elite da sociedade ituana no salão social do Hotel Itu Plaza.

Antonio Rafael Júnior

Nos últimos anos, em média mais de 40 mil pessoas prestigiam a Festa Italiana de Itu. No detalhe, portal da primeira festa em 2002 – Arquivo Igreja Matriz de Nossa Senhora da Candelária / Tucano

Nos últimos anos, em média mais de 40 mil pessoas prestigiam a Festa Italiana de Itu. No detalhe, portal da primeira festa em 2002 – Arquivo Igreja Matriz de Nossa Senhora da Candelária / Tucano

O show “Três Tenores Brasileiros e Banda” contagiou o público na Festa Italiana de 2016 – Tucano

Equipe de voluntários na movimentada barraca do spaghetti – Tucano

Preparação do molho de tomate começa uma semana antes da festa – Arquivo Igreja Matriz de Nossa Senhora da Candelária

Preparação do molho de tomate começa uma semana antes da festa – Arquivo Igreja Matriz de Nossa Senhora da Candelária

Mafalda Minnozzi foi uma das atrações artísticas da 15ª Festa Italiana – Tucano

Missas em homenagem às famílias italianas de Itu lotavam as dependências da Igreja Matriz. No detalhe, da esquerda para a direita, o então padre Durval de Almeida, Monsenhor Camilo Ferrarini (cuja família foi a primeira a ser homenageada, em 2002) e o celebrante da missa em idioma italiano, padre Marcelo Alessandro de Lima – Tucano / Coleção Milva Regina Guarnieri Savi

Missas em homenagem às famílias italianas de Itu lotavam as dependências da Igreja Matriz. No detalhe, da esquerda para a direita, o então padre Durval de Almeida, Monsenhor Camilo Ferrarini (cuja família foi a primeira a ser homenageada, em 2002) e o celebrante da missa em idioma italiano, padre Marcelo Alessandro de Lima – Tucano / Coleção Milva Regina Guarnieri Savi

Almoço em 2010 em homenagem às famílias Scalet e Benedetti, no salão paroquial da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Candelária – Arquivo Jornal “A Federação”



Leia outras matérias

Editorial 101
Editorial
The boat 'Serenissima' on the Grand Canal opens the historical regatta in Venice, Italy,  02 september 2012.  Taking place on the first Sunday of September, the Venice Historical Regatta commemorates the Queen of Cyprus, Caterina Cornaro, coming back to Venice, after she offered her island as a gift to the Venetians, in 1489. 
ANSA/ANDREA MEROLA
Festas tradicionais da Itália
02 - DSC_0723
Idealismo e força de vontade
04 B - DSC_0038
Uma fé muito antiga