Eixos da expansão urbana

Crescimento de Itu se deu por vias com nomes de figuras ilustres

A exemplo do que aconteceu com a maioria das cidades brasileiras, o século 20 marcou o crescimento de Itu/SP em direção a espaços mais afastados da região central. Bairros e vilas surgiram e tiveram suas áreas ampliadas em sentidos cada vez mais periféricos, sendo que essa expansão urbana sempre foi caracterizada pela formação de eixos de maior desenvolvimento, onde se estabeleceram comércios e serviços públicos diversos.

Nesses eixos viários surgiram aos poucos pequenos núcleos habitacionais. Atualmente, os eixos são algumas das principais ruas e avenidas da cidade, que tiveram suas paisagens e seus traçados modificados pelo tempo e pela ação do homem. E, pela importância que adquiriram como acessos aos bairros e ligação ao centro, receberam, em geral, nomes de figuras ilustres da história de Itu e também do Brasil.

É o caso da Avenida Dr. Octaviano Pereira Mendes, a popular Avenida Marginal.

Antigamente a via correspondia simplesmente à travessia da Rodovia Marechal Rondon (SP-300) pela zona urbana de Itu, tanto que em suas margens se instalaram vários prestadores de serviços automotivos. Com o crescimento da cidade, recebeu lojas, farmácias, concessionárias, lanchonetes e até um supermercado de renome. “Antes a avenida era muito feia, mas ficou bonita de uns tempos para cá”, diz a dona de casa Carmem Lopes, que transita diariamente pela via.

Vias de acesso a Itu

Revitalizada na década passada, a Avenida Marginal recebeu o nome de um ituano dos mais ilustres. Octaviano Pereira Mendes (1856-1917) estudou no Colégio São Luís e seguiu seus estudos nos Estados Unidos, onde se formou em engenharia. Ao voltar ao Brasil, foi vereador (PRP), delegado de polícia e presidente da Companhia Ituana de Força e Luz. Também foi proprietário da antiga fazenda Vassoural, que hoje pertence à família Pacheco, e residia na Rua da Palma, atual Rua dos Andradas.

Outras avenidas ituanas tornaram-se importantes à medida que a cidade cresceu em suas direções. Uma delas é a Avenida Nove de Julho, que liga a região central à saída para as rodovias do Deputado Archimedes Lammoglia (SP-075) e Marechal Rondon. Seu nome é uma homenagem à data de início da Revolução Constitucionalista de 1932, que, há alguns anos, passou a ser comemorado com feriado no Estado de São Paulo.

Em outro extremo da cidade fica a Avenida Tiradentes, que além de ser entrada e saída da cidade também dá acesso a bairros populosos, como Rancho Grande e Parque Industrial, bem como empresas, faculdades, hotéis e um condomínio de luxo. Seu nome é alusivo a Joaquim José da Silva Xavier (1746-1792), o Tiradentes, líder da Inconfidência Mineira e considerado herói nacional.

Destaque também para a Avenida Dr. Ermelindo Maffei, que liga a Marginal até a saída para Cabreúva e Jundiaí. Revitalizada desde a subida do Bairro Chafariz até a rotatória do Bairro São Luiz, a via homenageia o advogado e jornalista ituano Ermelindo Maffei (1907-1993), que presidiu a subsecção da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de Itu na década de 1950 e que teve atuação política de resistência nos anos da Ditadura Militar (1964-1985).

Rasgando a cidade

Com seis quilômetros de extensão, a Avenida Caetano Ruggieri atravessa uma série de bairros e é endereço de várias empresas e comércios. O nome traz à memória a figura do construtor e político ituano Caetano Ruggieri (1904-1971). Vice-prefeito de 1952 a 1955, foi eleito prefeito em 1970 (Arena), mas faleceu logo após tomar posse, aos 66 anos. “Caetano ajudou muita gente e foi como um pai para mim”, afirma Olavo Volpato, naquela época vice de Ruggieri e que governou a cidade até o final daquele mandato.

Outro exemplo é a Avenida Galileu Bicudo, construída sobre o antigo traçado da linha férrea e que atravessa a cidade, dando acesso a vários bairros. Seu nome remete ao político Galileu Bicudo (1916-1997), que foi vereador, deputado estadual e prefeito de 1956 a 1958 (PTB). “Ele ficou muito conhecido na cidade com o apelido de ‘Tatu’, pois perfurou toda a periferia de Itu com obras de água e esgoto”, conta Vera Bicudo, filha do homenageado. Galileu foi eleito prefeito novamente em 1968, mas não chegou a tomar posse por ter sido preso e cassado pelo regime militar.

Na região do Pirapitingui, a Avenida Paz Universal, em traçado paralelo ao da Rodovia Waldomiro Correa de Camargo (SP-079), é o principal eixo viário que levou expansão ao Bairro Cidade Nova, Vila Martins e demais bairros naquele setor do município, concentrando os principais estabelecimentos comerciais de uma região habitada por mais de 50 mil pessoas.

Ligação dos bairros

No Bairro Rancho Grande, a principal via é a Avenida Francisco Ernesto Fávero, onde em 1969 foi inaugurada a fábrica de biscoitos Tula, da família Demarchi. “A avenida sempre foi boa para o comércio”, explica Roberto Kalil, atual proprietário da Panificadora Tula e genro de um dos donos da antiga fábrica.

Francisco Ernesto Fávero (1889-1968) chegou a Itu com seus pais após formar-se em Contabilidade na capital. Foi funcionário público da Prefeitura de Itu por 35 anos e sócio fundador da Associação Atlética Ituana em 1934.

Outro destaque é a Avenida Eugen Wissmann, que liga o Rancho Grande ao Bairro São Luiz e onde predomina o comércio. A via recebeu este nome em reconhecimento ao suíço Eugen Arnold Wissmann (1899-1972), grande proprietário de terras, entre elas a antiga Fazenda Pirapitingui, que antigamente era chamada de Fazenda Campo Neto. A propriedade de Wissmann tinha dimensões tão grandes que correspondia às áreas atuais de bairros como São Judas, Jardim Aeroporto, Condomínio Villágios D’Itália, parte do Condomínio Campos de Santo Antônio, Jardim Santos Dumont, Jardim São Jorge e Parque América. “Ele foi homenageado porque, em 1942, doou 50% da área da pista do antigo campo de aviação – um pouco mais de três hectares -, onde hoje fica o Sesi”, conta Rodolfo Wissmann, filho de Eugen. A abertura da avenida, ligando o Bairro São Luiz ao Rancho Grande, ocorreu na administração do então prefeito Olavo Volpato (PDS), no final da década de 70. Segundo Volpato, que também deu nome à avenida por meio de decreto, as terras onde foi implantada a via foram doadas pelo próprio Eugen Wissmann, falecido em 1972.

Já no São Luiz, quase tudo gira em torno da Rua Paulo Eduardo Xavier de Toledo. “Quando vim morar aqui tinha só 12 casas, uma venda e o resto era mato”, lembra Odila Barbosa, que mora no local há 43 anos e se acostumou com a diferente realidade atual. “Aqui tem tudo o que eu preciso, não troco por nada”, acrescenta.

Filho do ex-vereador Corintho Galvão de Toledo (Arena), Paulo Eduardo Xavier de Toledo (1957-1974) era estudante e morreu num acidente de carro na antiga estrada velha de Sorocaba/SP, aos 17 anos, junto de outros três amigos, uma tragédia que chocou Itu.

Outros eixos

Um importante eixo de expansão urbana na área central compreende a Rua Joaquim Borges e a Avenida Prudente de Moraes. A primeira ainda mescla antigas residências com comércios, enquanto que a segunda já foi quase que dominada pelo comércio. “É um ponto excelente, bem movimentado e se valorizou muito”, afirma José Francisco de Sousa, conhecido como Chiquinho, dono de um restaurante que funciona há 18 anos da avenida.
Joaquim Bernardo Borges foi um português que chegou ao Brasil aos 15 anos, no século 19, com o objetivo de fazer fortuna. Foi um grande colaborador da Santa Casa de Misericórdia, destinando recursos para a fundação de uma maternidade e do Ibao – Instituto Borges de Artes e Ofícios. Por sua vez, o ituano Prudente José de Moraes Barros (1841-1902) foi o primeiro presidente civil do Brasil, eleito em 1894.

Na ligação da Vila Nova com a Vila Leis, destaque para a Rua Márcio João de Arruda, nome de um promissor arquiteto ituano que também morreu jovem de forma trágica, num acidente de trânsito no Rio de Janeiro/RJ. A rua delimita a parte baixa do empreendimento Itu Novo Centro. Na parte de cima, a Rua José Bruni tornou-se importante por ser o endereço do Centro de Atividades do Sesi – Serviço Social da Indústria. O homenageado José Bruni, falecido em 1990, foi vereador e membro da Corporação Musical União dos Artistas.

Na ligação entre a Avenida Caetano Ruggieri e o centro, cortando os Bairros Alto e Presidente Médici, a Rua Dr. Graciano Geribello homenageia o médico, desportista e prefeito de Itu, eleito em 1938 (PR). Graciano de Souza Geribello (1875-1944) foi diretor clínico da Santa Casa e da Maternidade Borges e sempre procurou dotar o hospital de Itu de equipamentos modernos para clínica e cirurgia.

Além de importante acesso a várias partes da cidade, a Rua Dr. Graciano Geribello abriga uma das mais tradicionais feiras livres de Itu, sempre aos sábados de manhã.
Outro importante eixo de desenvolvimento é a Rua Inácio Rodrigues de Ávila, no Bairro Padre Bento, que concentra várias moradias e estabelecimentos comerciais. A via foi batizada com esse nome pelo ex-prefeito Waldomiro Correia de Camargo em 1948 em homenagem ao ituano Inácio Rodrigues de Ávila (1912-1948), que morava em São Paulo/SP com a família e trabalhava na empresa Klabin. Considerado um grande nadador, Inácio morreu como herói ao mergulhar no rio Tietê, na capital, para resgatar vítimas de um caminhão que havia caído no rio. Depois de salvar o motorista, Inácio se afogou ao tentar salvar o ajudante e, por conta de sua morte, foi homenageado com o nome da rua em que passou sua infância em Itu. Inácio Rodrigues de Ávila pertencia a uma família tradicional ituana descendente de espanhóis. Seus pais, Antonio Rodrigues de Ávila e Maria Augusta, foram proprietários de sítios onde hoje ficam o Bairro Padre Bento e o Bairro Progresso. Entre os parentes de Inácio Rodrigues de Ávila que residem ainda hoje em Itu estão as famílias de Hélio Rodrigues de Ávila, proprietário do Ferro Velho do Hélio, e Renê D’Ávila, já falecido, que trabalhou durante muitos anos capturando animais peçonhentos na região para encaminhá-los ao Instituto Butantã, em São Paulo, para produção de soro antiofídico.

Antonio Rafael Júnior

01 - nikon 65926

Vista aérea da Avenida Dr. Octaviano Pereira Mendes (Marginal) após sua revitalização – Tucano

02 - DSC_0185Avenida Tiradentes é uma das principais vias de acesso à cidade de Itu - Antonio Rafael Júnior

Avenida Tiradentes é uma das principais vias de acesso à cidade de Itu – Antonio Rafael Júnior

03 - DSC_0080

Avenida Dr. Ermelindo Maffei concentra importante polo comercial de Itu, incluindo concessionárias de veículos, restaurantes, hipermercados e Shopping – Antonio Rafael Júnior

04 - foto 148

Fase final da construção da Avenida Galileu Bicudo em 2012. Avenida atravessa bairros populosos da cidade – Tucano

05 - DSC_0118

Galileu Bicudo, vereador, deputado estadual e prefeito de Itu, cujo nome batiza a mais nova das avenidas locais – Coleção Vera Bicudo

06 - F127 A

Vista antiga do Bairro Rancho Grande, nas imediações da Paróquia São Judas Tadeu, onde surgiu a Avenida Francisco Ernesto Fávero – Arquivo Campo&Cidade

07 - Eugen Wissmann 01

O suíço Eugen Wissmann doou mais de três hectares para a construção da pista do antigo Aeroclube de Itu, onde hoje se encontra instalado o Sesi – Arquivo Campo&Cidade

08 - DSC_0207

José Francisco de Sousa, conhecido por Chiquinho, tem um restaurante há 18 anos na Avenida Prudente de Moraes, na Vila Nova – Antonio Rafael Júnior

09 - DSC_0048

O arquiteto Márcio João de Arruda, que morreu em acidente de carro em 1993, foi homenageado com o nome da rua que projetou – Coleção Terezinha Arruda

10 - DSC_0162

Rua Graciano Geribello, no Bairro Alto, sedia uma das mais tradicionais feiras livres de Itu, aos sábados – Antonio Rafael Júnior

11 - Inácio Rodrigues de Ávila

O ituano Inácio Rodrigues de Ávila foi homenageado com o nome da rua em que viveu na infância, no Bairro Padre Bento – Coleção Teresa de Ávila Vecchi



Leia outras matérias

Escola de Cegos
Escola de Cegos
01 - IMG_1743
Para denominar espaços públicos
Editorial 106
Editorial
Carta