Fantásticas fábricas de sonhos

Brinquedos: de símbolos religiosos a um negócio lucrativo

Brincar é um direito de toda criança. E não há como a brincadeira ser completa sem que exista um brinquedo no meio. Dos tempos antigos aos atuais, houve uma grande mudança no que se diz respeito à produção de brinquedos no Brasil e no mundo. E Itu/SP faz parte dessa história.

Na Antiguidade, os brinquedos tinham ligação com os rituais religiosos. As bonecas, por exemplo, foram criadas como objeto para ritual religioso há 40 mil anos na África e Ásia. Porém, apenas no Egito, há 5 mil anos, é que ela se transformou em brinquedo. A escultura mais antiga de que se tem notícia é a de Vênus de Willendorf, criada há mais de 20 mil anos.

As bonecas estavam presentes na Grécia e em Roma 500 a.C. Quando se casavam, as jovens gregas dedicavam a boneca a Afrodite, a deusa do amor e da fecundidade. Os meninos romanos brincavam com bonecos feitos de cera e argila representando soldados.

Até o fim do século 18, os brinquedos eram produzidos de forma artesanal, por famílias ou artesãos. Na Europa, apenas no século 19 surgiram as primeiras fábricas especializadas na produção de brinquedos, usando produtos como madeira, vidro e metal. Nesse momento, o brinquedo passou a ser considerado objeto de consumo.

Brasil

Os brinquedos artesanais surgiram no Brasil por meio das tradições indígenas. Petecas e piões, por exemplo, eram fabricados pelos índios com os materiais que tinham à disposição. O País teve também contribuições dos negros, dos colonizadores e, séculos depois, dos imigrantes na idealização e confecção de brinquedos.

No entanto, as primeiras fábricas de brinquedos surgiram no Brasil apenas por volta de 1930, quando Getúlio Vargas apostou na industrialização para alavancar o País. Assim como em outros países, antes da primeira indústria, as crianças brincavam com bonecas e carrinhos produzidos de maneira artesanal. Alguns brinquedos eram importados da Europa, onde já existiam grandes fábricas, mas o custo era alto.

A Metalúrgica Matarazzo S/A – Metalma, que tinha Francisco Matarazzo (Ciccillo) como proprietário, foi a primeira fábrica nacional, produzindo trens, jipes, carrinhos e aviões. A empresa surgiu no início dos anos 30. Os trens possuíam inicialmente mecanismo a corda. Com o passar dos anos foram criados os trilhos, com cruzamentos, pontes e semáforos.

Fábricas na história

Assim como a Matarazzo, muitas fábricas não aguentaram os avanços tecnológicos do mercado e, uma a uma, foram fechando suas portas. Mesmo assim, tiveram fundamental importância na história da criação de brinquedos.

A Atma Paulista também foi uma das pioneiras nesse setor no Brasil. Tinha o famoso slogan “A Atma é ótima”, reproduzido nos comerciais de televisão dos anos 60. Entre 1950 e 1976, a Atma foi a única fabricante nacional de ferromodelismo, usando moldes de vagões importados, pintados nas cores das ferrovias da época. Produziu ainda tobogãs, bolas de plásticos (inclusive com assinatura de Pelé), utensílios domésticos em miniatura (como batedeira) e até flores de plástico.

Quem também acabou sucumbindo foi a fábrica Trol, grande sucesso nos anos 70 e 80. Ela quem trouxe ao Brasil o brinquedo Playmobil, boneco que marcou a infância de várias gerações. O fundador da Trol foi Dilson Funaro, que chegou a ser ministro da Economia durante o governo de José Sarney (PFL).

Um diferencial da Trol foi o patrocínio ao Teatrinho Trol, que ficou na televisão por 10 anos, entre 1956 e 1966, pela TV Tupi. Eram encenadas histórias como Chapeuzinho Vermelho e Cinderela. Criado e dirigido por Fábio Sabag, o programa teve participação de grandes nomes, como Norma Blum, Fernanda Montenegro e Cláudio Correia e Castro.

O Playmobil, com suas infinitas variações, chegou ao Brasil em 1976 e foi produzido até os anos 90 pela Trol, quando a fábrica encerrou as atividades. Outros produtos fizeram sucesso, como autoramas, a boneca Pierina e carrinhos em miniatura. Mas nenhum conseguiu superar os bonecos Playmobil, que até hoje fazem a alegria das crianças e são até objetos de colecionadores.

A fábrica de brinquedos Glasslite S.A. Indústria de Plásticos, mais conhecida como Glasslite, foi uma das mais populares nas décadas de 80 e 90. Ela se especializou na produção de brinquedos e jogos licenciados por séries, desenhos e programas de TV.

Dentre eles estão Super Máquina, Esquadrão Classe A, McGyver, Trovão Azul, Águia de Fogo, Miami Vice, Ultraman, Jaspion, Jiraya, Kamen Rider, além de Star Wars, Thundercats e Rambo. Alguns dos mais recentes, como Digimon, Pokemon e Simpsons também foram usados pela indústria.

A empresa tinha ainda em sua linha de produção o jogo batalha naval, a maquininha de escrever, fabriquinha de sorvete, maquininha de bordar, dentre outros.

Sobrevivendo às transformações

Nenhuma indústria de brinquedos fez tanto sucesso no Brasil quanto a Estrela, que continua a todo “vapor” até hoje. A Fábrica de Brinquedos Estrela impulsionou o setor ao ser criada em 1937, quando o alemão Siegfried Adler comprou uma pequena fábrica de bonecas de pano que tinha ido à falência.

O primeiro nome foi Manufatura de Brinquedos Estrella, e tinha 20 funcionários, que produziam dois tipos de brinquedos: bonecas de panos e carrinhos de madeira. Atualmente, a Estrela já contabiliza mais de 25 mil brinquedos diferentes e mais de 1,2 bilhão de unidades vendidas.

A década de 40 trouxe grandes avanços para a Estrela, como a produção do primeiro brinquedo de madeira com movimento e som fabricado no País, o cachorro Mimoso. Aquela década registrou também a chegada ao mercado o jogo de tabuleiro mais vendido da América Latina, o Banco Imobiliário.

A indústria do plástico revolucionou a fabricação de brinquedos. As bonecas passaram a contar com movimentos (ficavam em pé, viravam os olhos, andavam, choravam, dormiam) e ainda possuíam um preço acessível, como a boneca Pupi.

Os avanços tecnológicos e as transformações culturais passaram a influenciar os projetos de novos brinquedos, como os carrinhos e bonecas mecanizados e as “fashion dolls”, bonecas que seguiam as tendências da moda, como a Susi.

Os bonecos de sucesso para os meninos foram os da série Falcon e Comandos em Ação, este com mais de 10 milhões de unidades vendidas. Destacaram-se ainda o Genius (o “computador que fala”) e os bonecos baseados em personagens famosos (como Batman e Star Wars).

A Estrela não é a única das pioneiras que permanece no mercado. A Brinquedos Bandeirante iniciou as atividades em 1952 e atualmente é uma referência na exportação de brinquedos. Logo no início, lançou bicicleta, jipe, rema-rema e velotrol. Na década de 70, iniciou parcerias com países da América Latina e África, chegando aos Estados Unidos, Oceania e Europa na década de 80.

Hoje em dia, a empresa está presente nas mais importantes feiras e eventos internacionais do setor. O foco atual é a produção de triciclos, patinetes, carros elétricos, playgrounds e bonecos.

Já a Xalingo S/A Indústria e Comércio originou-se da Xavier e Braunger e Cia Ltda, fundada em 1947. Inicialmente a empresa dedicava-se à manufatura de madeira e, em 1968, passou a trabalhar com transformação de plástico. Atualmente oferece uma variada linha de jogos e brinquedos, tanto em madeira, como em plástico com divisões de rotomoldados, injeção e sopro, abrangendo cerca de 850 produtos, como triciclos, jogos, bolas, regadores, dentre outros.

Outra fábrica que resistiu às mudanças econômicas e ao ingresso de brinquedos chineses no Brasil foi a Elka, fundada em 1955 por Eliano Kapaz e seu irmão Emile, filhos de imigrantes sírios e libaneses. A sede fica no Bairro da Casa Verde, em São Paulo, numa área total de 12 mil m².

A segunda geração da família já atua na empresa Elka há mais de 20 anos, produzindo brinquedos com modelos próprios e originais, criados por uma equipe de especialistas. O foco agora é a linha para bebês.

Brinquedos para adultos

Fundada em agosto de 1972 por quatro engenheiros recém-formados, a Grow detectou, na época, a inexistência de jogos para adultos no Brasil. Os disponíveis eram importados e não possuíam uma distribuição eficiente.

O primeiro lançamento ocorreu no mesmo ano com o jogo War, o primeiro de estratégia do Brasil e conhecido até hoje. A empresa operava numa pequena garagem com quatro colaboradores, que montavam os jogos manualmente, em pequenas quantidades. As vendas eram realizadas pelos próprios sócios, que iam pessoalmente de loja em loja oferecer o produto.

Com o sucesso do War, outros jogos foram lançados, como Diplomacia, Cartel e O Jogo do Poder. A empresa cresceu e ficou nacionalmente conhecida. A partir de então, os lançamentos passaram a contemplar diversas faixas etárias, inclusive o público infantil.

Jogos para jovens e adultos ainda fazem sucesso, como Can-Can, Super Trunfo e Imagem & Ação. A fábrica em São Bernardo do Campo/SP produz mais de 300 itens diferentes, como jogos, brinquedos e quebra-cabeças.

Ivan Valini



Leia outras matérias

A um passo do trabalho
Redescobrindo a história
Editorial
Não somos menores, somos crianças