O Quartel e a comunidade

Regimento Deodoro mantém vínculo afetivo com a sociedade ituana

A forte integração com Itu/SP é uma característica peculiar do 2º GAC L (2º Grupo de Artilharia de Campanha Leve) – Regimento Deodoro. Desde a sua instalação no município, em 20 de janeiro de 1918, a unidade militar desenvolveu um vínculo afetivo com a comunidade ituana e regional.
Para o coronel Erb Lyra Leal, que chefiou a corporação até o dia 20 de janeiro deste ano, é difícil encontrar uma relação tão intensa entre uma unidade do Exército e a população como acontece em Itu. “Isso é singular, há uma integração muito grande”, salienta Erb, destacando que poucos ituanos conhecem a unidade como 2º GAC L. “Todo mundo conhece como o Quartel de Itu”, ressalta.
A abertura do quartel à comunidade retrata bem essa relação afetiva. Exemplo eram as Colônias de Férias promovidas entre 1973 e 1991. Nesse período, a cada ano o quartel recebia cerca de 600 crianças, sempre em janeiro, para oferecer uma programação de 15 dias de atividades educacionais e recreativas.
Divididas em grupos de diferentes idades, as crianças participavam de gincanas, praticavam esportes, visitavam os tanques de guerra, brincavam na piscina e tomavam lanche. “Foram as melhores férias da minha vida”, lembra a pedagoga Adelaide Bresciani, que participou pela primeira vez, aos 8 anos de idade, em 1979, declarado Ano Internacional da Criança pela ONU (Organização das Nações Unidas). “Naquele ano, cada criança que participou da colônia ganhou uma conta poupança para incentivar o hábito de guardar dinheiro”, comenta Adelaide.

Abertura à comunidade
Entre 1986 e 2006, o Regimento Deodoro promoveu a “Festa Julina” mais concorrida de Itu. A tradicional festa era realizada no mês de julho, posterior à Festa Junina. O auge aconteceu a partir do fim da década de 90, quando entidades assistenciais passaram a gerenciar as barracas típicas. Para atrair o público, os militares fizeram parceria com o produtor de eventos Zeca Modena, que levou para animar a festa duplas sertanejas como Hugo e Tiago, Maurício e Mauri, e João Bosco e Vinicius.
A Festa Julina acontecia no campo do Quartel e, posteriormente, numa área em frente ao Sesi, atraindo um público de 5 a 10 mil pessoas em cada um dos três dias de evento. “Era uma festa muito animada, as pessoas gostavam muito”, frisa Modena.
Outra ação que permite a abertura do Quartel à comunidade são as visitas escolares, quando estudantes podem conhecer as instalações e os materiais de emprego militar. Há escolas que até mesmo promovem suas atividades no local, como o Colégio Cidade de Itu – Anglo, que nos últimos anos levou alunos e seus pais para divertidas gincanas na área do Quartel.
Já o Projeto Artilheiro Mirim, realizado entre 2002 e 2007, revelou-se uma ação social criada pelo Regimento Deodoro para atender crianças carentes de Itu e região. Os participantes, alunos da rede pública, eram selecionados pelo Conselho Tutelar e no Quartel tinham educação física, lazer, aprendizado semiprofissional, alimentação, assistência médica e odontológica, bem como orientação cívica e patriótica.

Cultura e solidariedade
Nesse contexto da abertura do Quartel à sociedade é importante salientar o trabalho de incentivo à cultura. Através de parcerias com o poder público e com a iniciativa privada, a unidade militar de Itu recebeu nos últimos anos exposições, concertos, espetáculos teatrais, entre outros eventos.
Um dos eventos mais badalados foi a exposição de obras barrocas do artista Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. O Regimento Deodoro recebeu a mostra em 2005 e 2008, quando dezenas de peças da coleção pertencente ao empresário Renato de Almeida Whitaker foram dispostas num ambiente que remetia aos séculos 18 e 19.
Outra exposição marcante aconteceu em 2010, quando, por ocasião dos 400 anos da fundação de Itu, a Pinacoteca do Estado de São Paulo levou ao Quartel sua coleção do renomado pintor ituano José Ferraz de Almeida Júnior.
Já o Festival de Artes de Itu, que acontece anualmente em julho, leva há mais de uma década uma série de eventos para o Regimento Deodoro, resultado de uma parceria frequente entre a Prefeitura do município e o Quartel. “As nossas portas estão sempre abertas”, comenta o ex-comandante Erb Lyra Leal.
No âmbito da solidariedade, a corporação realiza anualmente campanhas de arrecadação de alimentos e agasalhos, que são destinados a famílias carentes ituanas. Além disso, 250 soldados do Regimento Deodoro participam anualmente da campanha de doação de sangue e cadastramento de medula óssea para a Colsan (Associação Beneficente de Coleta de Sangue), em Sorocaba/SP.

Ações de saúde
O Regimento Deodoro tem sido um grande parceiro da Prefeitura de Itu já há muitos anos em várias esferas. Essa parceria é vista, por exemplo, em alguns mutirões de limpeza e remoção de entulhos coordenados pelo poder público.
Mas certamente a contribuição principal do Quartel à saúde pública local é o envolvimento dos soldados nas campanhas de combate à dengue, quando os militares compõem uma grande força-tarefa, junto de agentes da Secretaria Municipal de Saúde, e fazem uma varredura por ruas e bairros do município para localizar focos do mosquito Aedes aegypti e orientar as pessoas quanto à importância de não deixar acumular água parada e alertar sobre os sintomas da dengue e de doenças correlatas, como a chikungunya, febre zika e febre amarela.
Por sua vez, a atuação interna do Regimento Deodoro em termos de saúde dos militares envolve estrutura de atendimento médico e odontológico com a participação de três das quatro mulheres que compõem atualmente o quadro da corporação: uma médica, uma dentista e uma auxiliar de enfermagem. A outra representante feminina na unidade militar de Itu atua na área administrativa.
Antonio Rafael Júnior

01 – Familiares das crianças participantes acompanham o hasteamento da bandeira nacional, durante a Colônia de Férias de 1986 – Acervo Regimento Deodoro

02 – Festa Julina do Quartel de Itu em 1996 – Acervo Regimento Deodoro

03 – Em 2005, o então comandante do Regimento Deodoro, tenente coronel (hoje general) Edson Diehl Ripoli, cumprimenta crianças em formatura do Projeto Artilheiro Mirim – Acervo Regimento Deodoro

04 – À dir., Marcelo Coimbra (in memorian) era quem organizava as exposições de obras de arte de Aleijadinho – Tucano

05 – Entrega de agasalhos arrecadados pelo Quartel de Itu ao Centro de Educação Madre Teodora – Acervo Regimento Deodoro

06 – A auxiliar de enfermagem Thatiane Neves é uma das três mulheres envolvidas no atendimento de saúde do Regimento Deodoro – Antonio Rafael Júnior

07 – Militar de Itu durante proteção das torres de telefonia e de transmissão de TV no Pico do Jaraguá, em São Paulo, durante a Copa do Mundo de 2014 – Acervo Regimento Deodoro

Box 01
Segurança na Copa e Olimpíadas
O Regimento Deodoro participou das megaoperações de segurança em que o Exército esteve envolvido por conta de o Brasil ter sediado a Copa do Mundo em 2014 e os Jogos Olímpicos em 2016.
Em 2014, soldados do Quartel de Itu participaram de escoltas a aeroportos e da segurança nos centros de treinamento em que se hospedaram as seleções de futebol do Japão e da Rússia (ambas em Itu), de Honduras (Porto Feliz/SP) e da Argélia (Sorocaba/SP).
Ainda no esquema montado para a Copa de 2014, o Regimento Deodoro designou parte de seu efetivo para garantir a segurança de uma subestação de energia em Jundiaí/SP e também das torres de operadoras de telefonia e de emissoras de TV e rádio situadas no Pico do Jaraguá, na capital paulista.
Já no esquema das Olimpíadas de 2016, além de novamente reforçarem a segurança da subestação de energia em Jundiaí e das torres no Pico do Jaraguá, os militares de Itu fizeram também a proteção do Centro de Preservação de Água Tratada de Itaquera, em São Paulo. (ARJ)

Box 02
Missões de pacificação no Rio
O combate às ondas de violência no município do Rio de Janeiro/RJ, por vezes, exige o emprego do Exército. Isso é possível por meio das chamadas operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), previstas na Constituição e que dependem de ordem expressa da Presidência da República.
Nesta década, o Regimento Deodoro designou parte do seu efetivo para integrar as missões de pacificação do Rio de Janeiro. Em 2010, os militares de Itu atuaram na operação do Complexo da Penha, enquanto que entre o final de 2011 e início de 2012 a missão envolveu o Complexo do Alemão. Já em 2014, a missão se deu no Complexo da Maré.
Nessas operações na capital fluminense, os militares podem atuar com poder de polícia por tempo restrito para preservar a ordem pública, a integridade da população local e o funcionamento das instituições. (ARJ)

Foto box 02 – Soldados do Regimento Deodoro em treinamento para missões de pacificação do Rio de Janeiro – Acervo Regimento Deodoro



Leia outras matérias

Caminhando pela história por João José “Tucano” da Si...
Preservação de um marco referencial
Armas, Quadros e Serviços do Exército
Para se tornar militar