Para se tornar militar

Cursos preparam militares para atuarem em diversas áreas

A escolha pela carreira militar envolve muitos estudos que têm início, para os oficiais combatentes, na Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx), instalada em Campinas/SP desde 1959. Hoje, para quem sonha ser um oficial combatente deve cursar o 1º ano do ensino Superior Militar na EsPCEx e, sendo aprovado, segue para a Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), onde cursará os quatro últimos anos do Curso de Oficiais Combatentes. “A Escola Preparatória de Cadetes do Exército é de suma importância, tendo em vista que é a única porta de acesso à Linha de Ensino Militar Bélico”, salienta o Oficial de Comunicação Social da EsPCEx, major André Santos Relva da Fonte.
Na EsPCEx é onde ocorrem também os primeiros ensinamentos e ambientação na vida militar para centenas de alunos que passam pela rigorosa prova de seleção. “Busca-se transmitir aos futuros cadetes e oficiais, conhecimentos científicos, técnicos, valores morais e éticos os quais serão de fundamental importância no cumprimento de suas missões na Força Terrestre”.
O ingresso de mulheres na EsPCEx foi autorizado em 2012. A prática de seleção de pessoal ocorre anualmente e a presença pioneira das mulheres na linha bélica se materializou em 2017. As vagas anuais têm sido de 440, sendo 400 destinadas para público masculino e 40 ao feminino.
A 1ª tenente Ana Carolina de Almeida Amaral e Silva, da Seção de Comunicação Social da Aman, afirma que a presença da mulher no Exército já é uma realidade em outras áreas, como no Quadro Complementar, no Serviço de Saúde e na carreira científico-tecnológica. “A entrada da mulher na linha bélica é mais uma consequência da ocupação crescente da mulher em todos os setores da sociedade”, afirma.
Após concluírem o Curso Básico, as jovens que incorporarem na Aman neste ano ingressarão no Quadro de Material Bélico ou no Serviço de Intendência e realizarão as atividades pertinentes a esses cursos. Depois de formadas, atuarão como militares combatentes de carreira, especializadas nas áreas de logística, abastecimento e manutenção e poderão galgar todos os postos da hierarquia militar.

Ingresso na Aman
O estabelecimento de ensino militar do Exército responsável por selecionar e preparar os jovens para o ingresso no Curso de Formação de Oficiais das Armas, do Quadro de Material Bélico ou do Serviço de Intendência da Aman é a EsPCEx. A seleção é anual, por meio de um concurso de admissão de âmbito nacional.
Localizada em Resende/RJ, a Aman é o único estabelecimento de ensino superior do Exército Brasileiro que forma os oficiais combatentes de carreira das armas de Infantaria, Cavalaria, Artilharia, Engenharia e Comunicações e do Quadro de Material Bélico e Serviço de Intendência. Em 1811, logo depois da chegada da Corte Portuguesa ao Brasil, tendo em vista a formação de militares, foi fundada a Real Academia Militar que, no início, funcionou na Casa do Trem, no Rio de Janeiro.
Depois de outras quatro sedes, em 1944 foi inaugurada a Escola Militar de Resende que, em 1952, passou a denominar-se Academia Militar das Agulhas Negras.
Ao longo dos quatro anos de formação na Aman são realizadas atividades que se fundamentam no desenvolvimento de atributos das áreas afetiva, cognitiva e psicomotora necessários à profissão militar. Ao final do curso, os cadetes são declarados aspirantes a oficial do Exército Brasileiro e destinados para diversas unidades militares em todo o País. A Aman conta atualmente com cerca de 1.800 cadetes.

Demais ingressos
Para os profissionais da área científico-tecnológica, o ingresso no Exército ocorre por meio do Instituto Militar de Engenharia (IME), responsável, no âmbito do Exército Brasileiro, pelo ensino superior de Engenharia e pela pesquisa básica. O IME, situado no Rio de Janeiro, ministra cursos de graduação, pós-graduação e extensão universitária para militares e civis, além de cooperar com os demais órgãos, por meio da prestação de serviços e execução de atividades de natureza técnico-científicas.
A Escola de Saúde do Exército (EsSEx) é a forma de profissionais dessa área entrarem para o Exército. Localizada também no Rio de Janeiro, é um estabelecimento de ensino superior, da Linha de Ensino Militar de Saúde. Tem por objetivos formar oficiais do quadro de médicos, farmacêuticos e dentistas do Serviço de Saúde para o serviço ativo do Exército; coordenar os cursos de Pós-Graduação dos Oficiais do Serviço de Saúde, nas áreas de Enfermagem, Veterinária e Psicologia da Saúde, além de subtenentes e sargentos de Saúde, entre outros.
A Escola de Formação Complementar do Exército (EsFCEx), que funciona em Salvador/BA, é o caminho para os profissionais das demais áreas. Criada, no início, como Escola de Administração do Exército (EsAEx), em 2010 recebeu a atual denominação. O curso da EsFCEx visa a formação dos oficiais do Quadro Complementar, em várias áreas de interesse do Exército como Administração, Ciências Contábeis, Comunicação Social, Direito, Economia, Enfermagem, Estatística, Informática, Magistério, Psicologia, Pedagogia e Veterinária. Na EsFCEx ocorrem a Formação Comum, Específica e Pós-Graduação.

Formação continuada
O processo de formação continuada dos Oficiais do Exército é composto pela Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO), obrigatória, e pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME), facultativa. Realizada pelos capitães, a EsAO os prepara para assumirem funções referentes ao estado-maior dos batalhões e regimentos.
O objetivo da escola para os oficiais da linha militar bélica (Infantaria, Cavalaria, Artilharia, Engenharia, Comunicações, Intendência, Material Bélico) e de Saúde (Médico) é habilitá-los ao comando e a integrar estado-maiores de organizações militares nível unidade, por meio do Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais (CAO) em nível de pós-graduação lato sensu.
A ECEME é realizada a partir do posto de major, por meio de concurso específico. Possibilita aos oficiais combatentes, médicos e engenheiros militares assumirem as funções de estado-maior das brigadas e comandos militares de área, além de poderem atuar como comandantes de organização militar e ascender aos postos de oficial-general.

Praças
No caso dos praças de carreira, a caminhada é iniciada na Escola de Sargentos das Armas (ESA), em Três Corações/MG, ou na Escola de Sargentos de Logística (EsSLOG), no Rio de Janeiro. A ESA é uma instituição de ensino militar que se destina exclusivamente à formação de sargentos combatentes de carreira, das armas de Infantaria, Cavalaria, Artilharia, Engenharia e Comunicações. Seus ensinamentos transmitem lições de patriotismo e prepara o aluno para o exercício das funções de sargento, nas quais constituirá o importante elo entre o comando e a tropa.
Já a EsSLOG é responsável por formar sargentos de carreira com as qualificações militares em Manutenção de Comunicações, Saúde, Intendência, Material Bélico (Manutenção de Viaturas, Manutenção de Armamento e Mecânico Operador), Música e Topografia. Os praças também se especializam, ao longo da carreira, realizando obrigatoriamente o Curso de Aperfeiçoamento de Sargentos (CAS) e, de forma facultativa, o Curso de Habilitação ao Quadro Auxiliar de Oficiais (CHQAO).
Angélica Estrada

01 – A formação militar prevê um longo período de estudos – Seção de Comunicação Social da AMAN

02 – Oficiais combatentes começam a carreira na Escola Preparatória de Cadetes – Seção de Comunicação Social da EsPCEx

03 – A presença pioneira das mulheres na linha bélica se materializou em 2017 – Seção de Comunicação Social da EsPCEx

04 – Militares destacam a importância das mulheres como oficiais combatentes – Seção de Comunicação Social da EsPCEx

05 – Depois de um ano na Escola de Cadetes, sendo aprovado, o oficial segue para a AMAN – Seção de Comunicação Social da AMAN

06 – Militar da área da Saúde durante orientação sobre Aedes aegypti e controle de doenças – Acervo do Exército Brasileiro

07 – A Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais possibilita formação continuada – Acervo do Exército Brasileiro

08 – Uma das possibilidades para os praças é ingressar na Escola de Sargentos das Armas, em Três Corações – Acervo do Exército Brasileiro

Box
Escola Superior de Guerra
Com campi em Brasília/DF e no Rio de Janeiro, a Escola Superior de Guerra (ESG), é um instituto de Altos Estudos de Política, Estratégia e Defesa, que integra a estrutura do Ministério da Defesa.
Criada em 1949, objetiva desenvolver e consolidar os conhecimentos necessários ao exercício de funções de direção e assessoramento superior para o planejamento da Defesa Nacional, nela incluídos os aspectos fundamentais da Segurança e do Desenvolvimento. O ingresso nos cursos oferecidos pela ESG se dá mediante processo seletivo. (AE)



Leia outras matérias

Além do quartel
Editorial
Trampolim para o generalato
Caminhando pela história por João José “Tucano” da Si...