Profissionalização da Equinocultura

Universidade do Cavalo forma profissionais para o segmento

Um espaço voltado à formação de quem atua ou pretende atuar no mercado de cavalos, preparando profissionais com cursos e treinamentos que possibilitem uma nova visão dos negócios nessa área. Essa é a Universidade do Cavalo (UC), que existe desde 1997 em Sorocaba/SP. Trata-se do primeiro centro da América Latina especializado na formação, desenvolvimento e informação para a equinocultura.

Turma de alunos do Curso de Certificação de Treinadores oferecido pela instituição – Acervo Universidade do Cavalo

Aluisio Cruz Marins, reitor da Universidade do Cavalo, relata que a criação da UC se deu pela necessidade do mercado: “Na época, a equinocultura brasileira vinha começando sua transformação para o profissionalismo pleno, com cavalos cada vez melhores nascendo e chegando ao Brasil, e com a mão-de-obra ainda não acompanhando esse crescimento qualitativo. Por isso, quando criamos a UC, iniciamos a oferta de cursos básicos de tratador, ferrador, enfermagem, administrador de haras e equitação”.

Com a crescente demanda, a oferta de cursos também aumentou: atualmente são mais de 50 programas disponíveis. A Universidade do Cavalo é uma empresa privada, uma universidade corporativa que se dedica exclusivamente ao que se refere a cavalos e à educação das pessoas para o mercado de cavalos. Mais de 1.200 alunos passam anualmente pela UC, vindos de todo Brasil e países como Portugal, Argentina, Chile, Uruguai e México. Mais de 8 mil pessoas já estudaram na instituição.

Alunos passam por aulas teóricas e práticas na Universidade do Cavalo – Acervo Universidade do Cavalo

A principal meta da Universidade do Cavalo é a melhoria contínua. “Quanto mais o conhecimento correto e de qualidade se dissemina, mais os cavalos podem viver melhor, menores são os prejuízos financeiros, maiores as oportunidades para empresas e profissionais do segmento”, comenta Aluisio.

Curso Superior

Em 2005 a Universidade do Cavalo alcançou sua grande conquista: o primeiro curso de nível superior do Brasil totalmente focado ao mercado de cavalos. O Curso Superior de Gestão em Equinocultura, uma parceria da UC com a Universidade de Sorocaba (Uniso) é hoje a principal ferramenta de formação de profissionais para essa área. Com 85% de empregabilidade, os Gestores em Equinocultura vêm transformando o mercado de cavalos no Brasil.

Durante o curso os alunos aprendem sobre a criação, o tratamento e a realização de eventos, como a Copa Raízes, sediada em Itu/SP e organizada por alunos da UC. Eles ainda participam da organização do Seminário de Gestão em Equinocultura (SEGequi), em parceria com a própria Uniso, em que são discutidos temas atuais do meio.

Alfredo Amaral (esq.) e o reitor Aluisio Marins durante a Copa Raízes, organizada por alunos da instituição – Tucano

A partir da experiência do Curso Superior de Gestão em Equinocultura foi lançado o Programa de Certificação de Treinadores de Cavalos. Uma faculdade em período integral para formar treinadores profissionais. A profissão de treinador até então era forjada empiricamente, sem qualquer cunho acadêmico. Agora o aluno pode estudar em casa ou na UC e vai passando por avaliações semestrais, módulo a módulo, num programa de até cinco anos. É o primeiro programa da história do Brasil visando à formação acadêmica para a profissão de treinador. A UC tem mais projetos em andamento, como os cursos rápidos – 10 ou 15 dias – para Capacitação de Enfermeiros de Cavalos, Ferradores e Treinadores.

O zootecnista e criador de cavalos Alfredo Amaral Neto, parceiro da instituição, fala da importância da UC: “A Universidade do Cavalo engloba todos os tipos de raça. Ela tem como ponto fundamental conhecer, trabalhar e preparar o profissional para montar, domar e treinar o animal, tanto o cavalo Mangalarga como outras raças”, aponta Alfredo. A Universidade do Cavalo fica na Fazenda Chaparral, na rodovia Sorocaba/Salto de Pirapora, km 110,5, Bairro Itinga.

Copa Raízes

Ensinar aos alunos como organizar um torneio envolvendo o cavalo Mangalarga e debater sobre presente e futuro da raça foram os objetivos da Copa Raízes de Marcha e Função – Mangalarga Marchador e Mangalarga, que aconteceu nos dias 6 e 7 do mês de abril no Centro de Treinamento e Atividades Equestres Pedregulho/Fazenda Capoava, em Itu/SP. O evento, realizado desde 2010, é organizado pelos alunos do Curso Superior de Gestão de Equinocultura, da Universidade do Cavalo, o que transforma a Copa numa grande aula prática, com o apoio de criadores, profissionais e empresas da área.

Na Copa Raízes, os cavalos Mangalarga fizeram um percurso pela estrada. Após o trajeto, tiveram medidos os batimentos cardíacos para analisar a resistência – Fotos: Tucano

Durante a Copa, aberta a todos os cavalos da raça Mangalarga (Marchador, Paulista e outros), os animais fizeram um percurso pela estrada para demonstrar sua regularidade e, ao final, passaram por medição dos batimentos cardíacos para avaliação de sua resistência. Em outra etapa foram julgados estilo, comodidade e andamento de cada cavalo por três juízes independentes e especialistas da área. Provas funcionais que remete às tradições rurais também foram promovidas, com vistas a valorizar o que a raça possui de mais autêntico: andamento e funcionalidade.

Havia ainda o Pavilhão das Linhagens, onde estavam expostos animais de várias linhagens tradicionais do Mangalarga e do Mangalarga Marchador. São cavalos e éguas representativos de criações que fazem parte da história da zootecnia e seguem colaborando com a construção e evolução do “Cavalo de Sela Nacional”.

Raul Sampaio de Almeida Prado, professor da Universidade do Cavalo, falou sobre a importância da iniciativa. “Os alunos estão tentando criar um modelo de prova que represente de forma objetiva as tradições culturais do cavalo de sela do Sudeste brasileiro, algo de extrema importância”, argumenta.

Tiago Keese



Leia outras matérias

O faturamento com o setor de leilões gira em torno de R$ 19,1 milhões anuais - Arquivo: Assessoria Expo Jaú
Crescimento a galope
O Mangalarga Mineiro (à esq.) e o Mangalarga Paulista possuem origem genética do garanhão Alter Real doado por Dom João VI - Alcides Flavio Gatti de Oliveira (Nenê)
Editorial
O garanhão Ouro SFI, que iniciou a consolidação do plantel do Haras Araxá, é um dos mais premiados animais registrados na ABCCRM - Acervo Haras Araxá
Apaixonados pelo Mangalarga
No Museu, um vasto material multimídia destaca os avanços do cavalo Mangalarga ao longo do tempo - Agencia New360
Museu do Mangalarga